Variedades Femininas

Aqui se fala do universo feminino

Coragem, homens! Vamos entrar na luta pelo fim da violência contra mulher!

em 6 de dezembro de 2014

 

Hoje, dia 06 de dezembro de 2014, é o dia nacional da mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres. Como sou mulher, viver essa violência sempre fez parte da minha vida, seja ela “grande” ou “pequena”, poderia falar aqui das grandes coisas, mas quero falar das coisas “menores”, mais “sutis”, mas que nos afetam muito. Pedir que você, homem, abra um pouquinho seus olhos e faça da sua vida um motivo para acreditarmos que é possível. Nem todo homem é agressor, mas uma quantidade absurda é.

Todxs crescemos num ambiente de incentivo à violência, nos mandam cobrir nossos corpos, pois as mães que segurem suas cabritas que os bodes estão soltos por aí. Sei que o ditado não é bem assim, mas não sou boa em lembrar desse tipo de coisa, embaralho tudo mesmo. Neste contexto, é muito fácil convivermos com homens que possuem discurso de “bom moço”, que muitas vezes dizem ser defensores da luta feminista, mas na hora do vamos ver se tornam agressores. E olhe que nem estou falando das últimas tretas entre as feministas, estou me lembrando de casos que vi em uma vida inteira, pois pode ter certeza que essa discussão não vai acabar e nem começar com o que tem ocorrido na última semana.

Acho que é difícil pra um homem entender o que uma mulher passa, diariamente, mas é possível se solidarizar. Esse ano ando mais irritada do que nunca com homens que assumem o discurso feminista, mas não perdem a oportunidade de agredir suas parceiras, seria bem mais coerente assumir logo o capacete machista, mas não, se escondem atrás de discursos de apoio a luta pelo fim da violência contra mulher e descem o cacete na gente com o seu machismo.

Já me relacionei com caras que tentaram me diminuir porque meu lattes é mais robusto, que gritaram comigo por diversos motivos, que tentaram me humilhar por ter na época uma situação financeira instável e diante de todo horror das pequenas coisas, já fiquei sem teto e sem grana, porque se o amor acaba, te vira que tua casa é a rua. Poderia falar um monte sobre compaixão e amorosidade, mas a questão aqui não é esta, é o prazer de tentar exercer o controle e se sentir o grande macho em cima de uma mulher frágil. Ok, nunca fui frágil e dou a volta por cima, mas essas coisas que citei acima vivemos em nosso cotidiano, passamos com parceiros que escolhemos e acreditamos em seu discurso libertário e igualitário. Acreditamos que porque são igualitários no discurso, não serão machistas em suas atitudes. Acho que o mais importante é refletir que sou feminista, venho de uma família de esquerda e financeiramente estável, sou empoderada de mim e de meu corpo, mesmo assim topei e topo adoidado com machinhos por aí, então imagine o que deve viver uma mulher que não tem a menor consciência desse tipo de discussão? E ser feminista não é garantia de ser forte sempre, pois feminista também é gente.

Sou muito tolerância zero com machinhos, mas sou privilegiada, sou uma mulher independente, seguro minha onda emocionalmente e financeiramente, acho que por isso tenho conseguido cair fora logo de relações que poderiam me causar aprisionamentos, mas e se a situação fosse diferente? Se eu não tivesse essa segurança toda? Seria totalmente compreensível que eu me sentisse sem nada enquanto um homem me oprimisse, gritasse comigo e tentasse me humilhar. E esse tipo de situação é vivida por milhares de mulheres enquanto escrevo no conforto do meu lar e da minha liberdade.

Por isso, acho que essa luta seria muito mais fácil com homens conscientes do nosso lado, pois não adianta nada ter um discurso feminista e ser um machistão. Nos machuca cada atitudezinha machista, cada grito e tentativa de nos diminuir, é muito triste lidar com tudo isso. Nosso trabalho enquanto feministas é meio dobrado, mas estamos aí mesmo lutando pelo empoderamento feminino. Mulheres não são mercadoria, coisas que precisam ser vigiadas. Assim como a masculinidade – masculinidade, oi? – de ninguém é ferida quando um outro homem olha para sua parceira, pois ela não é sua ou sua mulher, não é uma coisa, sua posse. Leva uma vida para que a gente possa se empoderar e somos chamadas de vadias por nos acharmos donas de nossos corpos. Vivemos em um mundo machista, é uma luta diária e constante para nos mantermos em pé, por isso não ajuda em nada que você, homem, perpetue a violência de gênero oprimindo a sua parceira.

Nós, pessoas feministas, dizemos que se mexeu com uma, mexeu com todas. E é por aí, nos empoderamos e lutamos pelo empoderamento de outras mulheres. Nossas experiências são motivo para continuar lutando, sonhando com o dia com que nenhuma mulher viva violência alguma. As estatísticas são alarmantes, muitas mulheres são mortas, agredidas, estupradas… todos os dias. Mas não é “só” isso, somos diminuídas e menosprezadas por respirarmos, por decidirmos sair de casa, trabalhar e, principalmente, dizer que somos nós as donas de nossos corpos.

*Texto escrito por uma mulher cis, sobre relações hétero e cis. E posso afirmar que para uma mulher trans o buraco é bem mais embaixo.

Anúncios

2 respostas para “Coragem, homens! Vamos entrar na luta pelo fim da violência contra mulher!

  1. Julie disse:

    Feminismo é amor. Clara é amor. Bom te encontrar por aqui também! =0)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: